Ainda sobre o Henrique Raposo.

image

Ainda volto a este assunto, porque me incomoda.
Se não me incomodasse, passava-me completamente ao lado, como me passam tantos assuntos deste quotidiano e doutros.
Acontece que de minuto a minuto, este tipo ou algo conectado com este tipo, ainda do mesmo assunto ou de outros que voltam ao mesmo, me “cai na sopa”.
Agora há o volte face dos “indignados com o que se fez ao Henrique Raposo, tadinho”..

Eu tenho direito a não ter gostado.
Do que ouvi, da forma rude, agreste, arrogante e pretensiosa com que falou da minha terra, do meu povo..
Logo no sábado escrevia ele no Expresso uma carta de amor ao Alentejo, como que a redimir-se..
Que se calhar não falou da melhor forma, que estar na televisão não é o mesmo que escrever..
Cada um tem o direito à sua opinião. Ele tem o direito de a expressar, até sob a forma de livro. Eu tenho direito a não concordar com a forma como falou.
Não concordo com muitas coisas, Mas também nunca recebi mimos das minhas avós. Nunca.
Mas a minha avó Mariana tinha sempre, quando eu era pequena, um balde de figos da Índia para mim.
E não há mimo, ainda hoje, maior que esse!

Este Henrique Raposo não é Alentejano. Tem antepassados alentejanos e resolveu escrever sobre eles. Quando apresentou a obra, generalizou a sua experiência pessoal a todo um povo, a toda uma região.
Fe-lo erradamente. E deveria ter a humildade de o assumir publicamente, tal e qual como há duas semanas um cantor eliminou um teledisco seu, por ser elevada a violência doméstica a que incitava, pedindo desculpa por isso.

Os primos, tios e amigos deste Henrique Raposo, que por acaso até são da minha terra e meus amigos, vêm agora defende-lo.
Penso que para que se olhe para o caso de uma outra forma.
O Henrique Raposo está borrado.
Quanto mais não seja porque foi negativa a sua projecção nacional.
Vai levar anos para a limpar, e não sei se conseguirá.

Cancelaram-lhe o local da apresentação do livro, porque dizem não querer estar associados a polémicas.
Eu até sou gaja para ler o livro. Tentar encontrar algum fundo de verdade, algum resquício do Alentejo..
Tentar perceber se aquele gajo apenas não tem competências de expressão oral..
Que mete os pés pelas mãos, e se atrapalha quando os caracteres lhe saem pela boca, ao invés de pelos dedos..
Pode até bem ser..

Ele diz que se vai retirar da Internet, depois disto…
Isto também dirá muito sobre o que a pressão, a falha, podem fazer a alguém…