Ainda do Nicolau Breyner… sem palavras!

“Gosto que gostem de mim…”