De quem me inspira.

Há um bom par de horas, “pediu-me”  uma das especiais que me visita o blog, que falasse mais de pessoas. Das que me inspiram, daquelas que me atravessam o quotidiano ou a mente,  das que apesar de longe fazem a diferença, e das que nem conheço mas com que me cruzo na rua..
Juro que tenho andado com a cabeça sem capacidade. Não consigo escrever, ler, dificuldades em compor e alguma inércia que até nem me caracteriza.
Muitas das pessoas que me inspiram estão, fisicamente, longe de mim..
Isso não diminui um milésimo a forma como me inspiram que é algo muito enraizado, muito firme e que não muda..
Sou uma pessoa a dar para o solitário [embora possa não parecer], estou muitas horas de muitos dias totalmente sozinha, comigo, myself and me. E este sozinha é mesmo sozinha, sem contactos, seja qual seja a via..
Esta é a razão porque certos episódios assumem verdadeira importância [como o senhor do andarilho que me cruza a vida quando tem força para fazer o trilho]..

Ontem vi uma pessoa especial..
Que me viu [porque me olhou], porque foi educado e levantou o braço, porque me fez sentir uma pessoa.
Para mim foi especial por isso..

Era um condutor de autocarro que me cedeu passagem. Do Médio Oriente. Com barbicha até ao esófago e uma espécie de mini touca que lhe enfeitava a cabeça e o(nos) lembrava da religião.
Daqueles como os que aparecem nos noticiários após os atentados.
Ali, ontem, naquela hora, ele foi dos humanos mais humanos que se cruzou comigo neste pedaço de canto distante..
Ele conduzia um autocarro. De passageiros. Dos urbanos.
Eu passei. Acho que apenas vi uma pessoa. Boa. Lembrei -me de todos os detalhes quando conduzia na rua de acesso à escola.
Voltei a estar sozinha.

**