D’outro dia. 

Não lhe chamo bom dia. Porque não é. Pelo menos para mim não é. Nunca um dia pode ser bom quando temos uma unha do pé a cair, completamente solta e presa (completamente presa) do lado oposto. 

Levantei-me cedo de uma noite de insónias e preocupações com isto e rumei ao centro de saúde onde bati com o nariz na porta por ser feriado… 

Foi há mais de 3 meses que ela ficou negra, resultado de um traumatismo. Nunca pensei que caísse. Logo agora. 

Seja o que tiver que ser. 

**