Caramba. 

Sei que preciso de muito pouco. Sinto isso. Mas este ano os 40 anos trouxeram-me uma nova forma de encarar a Vida, experimentar ver quem se preocupa de facto, experimentar ver quem se lembra.. Quando olho para trás vejo que sempre fui muito do género de, repetidamente, ir atrás. Até que esperei que primas, amigas, vizinhas me procurassem.. Que não fosse eu de café em café, de porta em porta [e mesmo em família, bater o nariz nela!] sempre constantemente. 

Tenho feito muito pouco, não tenho saído [excepção para banco, posto médico, Intermarche ou praia]. Não vi ainda praticamente ninguém porque troquei momentos na praia rodeados de gente por montes alentejanos de família cheios de detalhes para fotografar, ou noites de FMM por noites de leitura com o pequeno aninhado em mim..

Às vezes apetecia-me fazer tudo diferente, ter dias diferentes, mas depois a Vida não se encarrega de mos proporcionar e acabo [caramba!]  por me acomodar.. 

Tenho tantas saudades de quem ainda não vi, tenho tantas saudades, que dei por mim hoje no posto médico a abraçar [comovidamente] o meu médico de família e dizer-lhe Obrigada por estes 32 anos de união. 

Boa Tarde. Um Abraço 

**