Da incrível e inaceitável atitude. 

Quando tenho dor de cabeça [e quando estou sem ela tb] escrever relaxa-me.

Nunca sonhei trabalhar em jornalismo escrito, mas sempre quis, desde pequena, ser jornalista. Continua a ser aquilo que mais gozo me daria fazer, continuaria a ser o curso que quereria tirar e nenhum outro, e se tivesse de novo 17 anos, o meu boletim de candidatura à Universidade seria igualzinho, pela mesma ordem, todo, mesmo todo igual, àquele que preenchi há mais de 20 anos.. 

Apetece-me sempre escrever sobre tudo e mais alguma coisa, mas muitas vezes não consigo fazê-lo, por uma ou outra razão. 

Hoje de manhã acordei muito cedo, com dores e incomodada, e li as notícias do dia como sempre faço.. 

Ora bem tenho dois assuntos que aqui queria trazer e um deles é  o “alegado assalto por polícias”  que envolveu os atletas, nadadores, norte americanos. 

Presumo que para se chegar a atleta de alta competição seja necessário reunir não só uma série de qualidades e aptidões para a actividade desportiva em questão, como uma série de características ao nível de personalidade que faz daquelas pessoas um bocadinho fora do comum. Serão, penso eu, necessárias qualidades como a perseverança, a resiliência, a convicção e dedicação, o entusiasmo, o espírito vencedor e depois aqueles valores de berço comuns a todos os mortais [mas que tantos não têm] como o respeito, a honestidade, a sinceridade, o ser verdadeiro.. 

Então não é que a “Chico-espertice” desta equipa de atletas norte americanos, pessoal medalhado, habituado a estar em podiums [de verdade], acha que vão para o Brasil e podem simular um assalto, feito por polícias, porque, como é no Brasil, ninguém vai duvidar. Cenas hilariantes com armas apontadas, carteiras roubadas e um ambiente de horror, e afinal a montanha pariu um rato e nem sequer houve assalto nenhum.. Nem a carteira saiu do bolso, lugar onde sempre terá estado, nem lhes apontaram nenhuma arma.. 

Enfim, afinal os meninos partiram uma porta de uma casa de banho de uma bomba de gasolina e apenas não os deixaram sair sem a pagar.. Porque eles podem ser reis na aldeia olímpica onde nadam, mas na sociedade [tal como todos nós] são só mais uns.. 

Acho deplorável, inaceitável e tremendamente inqualificável esta atitude. De atletas olímpicos?!?!  Já não nos devíamos espantar com estas coisas, mas no meu caso, acho sempre uma profunda infelicidade que alguém seja apanhado por coisas destas.. Até mais grave a meu ver que casos de doping.. Porque os casos de doping visam marcar a “chico-espertice” no meio onde estao inseridos, mas aqui é diferente, é no meio da sociedade, é menosprezar aquele empregado da bomba que eles nunca acharam que se lhes ía impor, chamar a polícia, e dizer no inglês que ele lá conseguiu que ninguém dali saía sem pagar a porta.. 

A vergonha [mundial] será para eles, posso não lhes lembrar o nome, mas nunca mais  lhes esquecerei a “fronha”. 

Bom Dia. 

**