Da Catarina. 

Leio a Catarina há algum tempo. Diariamente. Não tanto tempo quanto aquele que escreve porque a descobri tarde. 

A Catarina escreve maravilhosamente bem e é uma pessoa normal [como nós]. Escreve sobre sentimentos como eu e por isso me revejo nela. Teve sempre esperança num amanhã, que no caso dela, levou anos a chegar. 

Comprei este livro na esperança de ler os primórdios daquilo que agora leio. Muita gente não gostará disto, pode achar lamechas ou sem interesse, mas há qualquer coisa que gosto muito na Catarina. 

Ela é das que não desistem. Das que olha sempre para o lado colorido da vida. Somos diferentes. Ela adora comer e eu nem por isso. Ela é mais destemida que eu. Mais aventureira que eu. E faz crossfit que é uma coisa que nunca me passou ainda pela cabeça fazer. 

Esteve grávida mais vezes e eu apenas uma. Mas há algo que nos une. Nem sei explicar o quê, porque estas coisas não se explicam. 

Gosto da Catarina porque ela fala sem pudor, de sentimentos. De uma forma nua e crua. Nunca pensei ou quis que a minha vida fosse como a de uma princesa mas gosto muito de ler esta princesa das letras. 

Vai ser agora Mãe [ela é Mãe com 2 M’s grandes] e achou o Amor da vida dela. 

Isto talvez baste para a continuar a ler. 

Obrigada, Catarina. 

**