Do alto stress. 

Eu não sou pessoa de me ir abaixo por dá cá aquela palha. Quando estou em alturas de grande ansiedade [e estes períodos de mudança são próprios disso mesmo], tenho uma força de cão. Faço das tripas coração mas tudo resolvo. 
Ontem foi um dia especialmente complicado para mim. Tenho que admitir que tudo o que envolva o meu filho, o seu bem estar, a sua estabilidade, mexe [muito] comigo. 

Ontem foi a apresentação na escola. E foi duro. Muito duro. Para ele. Para mim. E para mim, por ele. Não consigo estar serena, estabilizada, até que o sinta bem. Nem ele consegue estar a fingir comigo. Porque é parte de mim. E o que eu sinto, ele sente. E o que ele sente, eu sinto. 

[Juro que não quero que a estabilidade dele seja afectada. Um segundo que seja].  

Boa Tarde para esse lado. Desculpem a minha ausência. Recordo este meu canto a cada instante, mas às vezes falta-me a força. Acreditem.

P.S. Este foi o meu almoço. Foi quanto baste. 
**