Till 9.30P.M

Confesso que não costumava pensar amiúde no quão tarde [por vezes] saía do trabalho. 

Foi um período longo com uma gestão de tempo completamente diferente. Tinha tanto tempo que muitas vezes as horas dos dias eram absorvidas pelos pensamentos, partilhadas com a chaise- longue, com os chocolates e com as velas [sempre ao meu lado].. 

Nunca pensei muito em quanto tempo estaria de volta.. Deixei de fazer contas quando me saíram furadas nas longas contagens dos dias cinzentos e manchados de lusco-fusco dos primeiros meses. Depois agarrei-me à Vida e percebi que voltaria quando assim tivesse que ser. E comecei a senti-lo muito antes de haver certezas [que vieram há muito pouco tempo].. Algo me dizia que seria agora. Mas nunca falei disso. 

Não sabia de nada da minha Vida. Apenas tinha o mesmo telefone, os contactos e fiz uma chamada. Honesta, clara e com tudo esclarecido. Não pedi cargos. Pedi trabalho. Disse que queria que me chamassem pelo nome de novo, queria ser Eu. E foi assim. 

Se estava preparada para chegar a casa ás 10 da noite?!  Estava. Claro que estava. A fazer babysitting chegava as 2 da manhã e nunca morri. 

[Tratavam-me pelo nome. E isso era quanto bastava].

Boa Noite. 

**