Do que me realiza. 

Ainda a propósito das declarações de António Guterres por ocasião da sua eleição, recordo-me de ouvir debates onde alguém referia que aquilo que o realizava seria sempre o desempenho de funções públicas [e nunca privadas].. 
Ora bem eu nunca desempenhei funções públicas, sempre estive noutras áreas, porque a Vida assim o ditou, ou porque assim quis o Destino.. 

Isso nunca me impediu de [onde quer que estive] tenha tido sempre atenção pelo outro, pelo cliente, pelas pessoas com quem trabalhei, pela diferença que podia fazer na vida deles.. 

No projecto onde trabalho agora, embora não faça parte das minhas funções, ofereci-me para [consoante as necessidades] estar num posto de atendimento, a atender quem viesse.. Estive um dia inteiro a fazê-lo [com muito agrado] e de todas as pessoas que atendi só uma não era reformada..  

Tenho em mim a máxima de que quem trata pelo nome é mais feliz e faz os outros mais felizes. Não há quase nada na vida que goste mais que me tratem pelo nome, e de tratar os outros pelo nome. 

Nesse dia em que “estive de serviço” fiz questão de tratar as pessoas pelo nome, de os acompanhar à saída, de mandar cumprimentos à esposa(o).. Tentei ser o mais Eu possível. Porque eu sou mesmo assim, nada foi forçado.. 

Quando olho para estas semanas de trabalho penso que o contacto com as pessoas é o que mais me realiza. Não são essas as minhas funções. Essas são muito mais chatas e prendem-se com dados, com consultas de dados em plataformas de teste, em plataformas reais, em envios e reenvios de emails, em motivar equipas e tudo fazer para que o projecto resulte em pleno..

Este back office pode ser apreciado por muitos, [confesso que gosto de estar “aos comandos”] mas nada supera a realização que sinto quando estou com as pessoas, analfabetas tantas delas, e sinto que fiz muito por ajudá-las em tão pouco [que para elas é tanto].. Esse é o mesmo pressuposto de quando dava boleia às indianas quando estava lá longe, de quando ajudo quem se me atravessa.. Faço isso porque a sensação com que fico no final é inigualável, é absolutamente brutal.. 

Amanhã vou de novo atender D. Marias e Srs.Antonios. Porque sim. Porque isso me faz imensamente feliz. 

**