Dos porquês. 

Muita gente sabe que escrevo diariamente. Muito pouca gente sabe que tenho um blog. 

Esta é uma decisão minha porque me parece ser este um lugar muito especial, onde falo do que penso acerca dos mais variados assuntos, mas onde, essencialmente, falo de mim, do que sinto, e do que penso. E tenho muitos dias maus e uns ainda mais maus que outros (aqueles em que não venho) que felizmente são poucos. 

Os pesadelos atordoam-me. São situações repetidas, quase sempre envolvendo o mesmo cenário, e para mim, de profunda angústia e sofrimento. Estou acordada durante horas e se retomo o sono, reencontro o mesmo sonho no ponto onde parei. E isto só acaba de manhã. 

Esta tortura, a ser sempre assim, já me teria impelido a pedir aos santinhos que deixasse de sonhar. Mas tb tenho sonhos fantásticos onde realizo tudo aquilo que, no mundo real, não consigo.. (e pelos sonhos fantásticos não quero nunca abdicar desta capacidade). 

Nestes pesadelos eu sou sempre vista e atirada como a má da fita, como a peste, como alguém que nem devia existir.. E eu acordo por vezes, e deixo perpetuar pelas horas, essa ideia recôndita que sou isto e aquilo. 

Poderia ser mais fácil se nada disto acontecesse, mas acontece. Daí os momentos em baixo, contrastando com aqueles em que estou bem. Já dizia o outro, “Não há dias cinzentos para quem sonha colorido…” Eu diria mais, nunca pode haver dias coloridos para quem sonha cinzento.. 

Porque vcs são muito importantes para mim, Obrigada. 

** 

Advertisements

Not fair. 

A mania que eu tenho de me sentir abaixo dos outros, mais incapaz que os outros [quando é totalmente errado], a mania que eu tenho, de volta e meia, estar assim e sentir-me assim. As pessoas estão, por vezes, tão enganadas comigo.. 

**

Lá diz o ditado…

“Presunção e água benta, cada um toma a que quer”..

Hoje pedi por mensagem uma foto a um amigo do Alentejo. Basicamente queria apenas partilhá-la na minha capa do Facebook e referi de imediato que os créditos para ele seriam colocados de imediato quando partilhasse a foto..

Veio a resposta, que sim, podia partilhar mas devia indicar “Photo by.. [e o seu nome completo].. Disse apenas” Claro que sim”..

Ora bem,

E aqui começo logo a passar-me..

Este rapaz fotografa, é verdade. Tem umas fotos fixes, tb é verdade. E outra verdade é que é presunçoso e acha que por fotos dele ilustrarem [repetidamente] a capa de um grupo da terra no Facebook, é o Às de Copas.

[Meu amigo, há uns tempos, foi aqui a “amadora” que te falou no 500px [que nem conhecias], e até sabes que tenho algo a ver com fotografia [a tua presunção não te permite qualquer referência a fotos minhas] mas sabes que sim..]

Tudo o que coloco no Facebook é maioritariamente Meu. Não é por não ter marca d’agua [que não gosto e não usarei em fotos tiradas com a minha máquina] que as fotos deixam de ser minhas.. Nunca proibi ninguém de partilhar as minhas fotos [sinto-me até agradecida, e lisonjeada]. Sempre que utilizo imagens de amigos faço referência aos créditos. Jamais, em tempo algum, me iria apoderar de algo que não me pertence. Nem acho que faça sentido. Vejo todos os dias centenas de imagens [muito melhores do que as deste indivíduo] e nunca vi tamanha presunção..

É claro que não irei partilhar a sua foto [da minha lagoa]. Não, não e não. Nem nunca, mas nunca mais, me passará pela cabeça partilhar-lhe uma foto (era a primeira vez que dele, o iria fazer). Há atitudes que dizem muito sobre a arrogância de uma pessoa, sobre como lhe estão adulterados os valores.
Os mais geniais criadores de imagens que conheço, são os mais humildes.. E olhem que sei do que falo.

(O que mais me aborreceu aqui? A indicação expressa do “Photo by, seguido do nome completo”. Que eu saiba ainda sou eu que decido aquilo que escrevo nas minhas publicações, não sou nenhum pau mandado, ainda para mais a promover fotos de pseudo espertalhões)

A vcs meus Especiais, Obrigada.

**

My angel. 

Vivo no campo. Oiço galinhas, pássaros, grilos, insectos. Prefiro estes sons aos da televisão e do rádio. Às vezes estes são os únicos sons que consigo tolerar naqueles dias em que os pesadelos da noite me moldam a insegurança dos dias..  Há muito tempo, que em muitos dias, tenho que estar forçosamente em silêncio. Isto é verdade, isto é a mais pura verdade.

Ontem trabalhei tanto para fazer [uma semana num] que até me esbardalhei de carro, mas continuei a trabalhar, até ao fim do dia e até ao fim dos projectos que me tinha proposto cumprir. No final do trabalho fui lavar o carro, naquelas máquinas que fazem tudo e que nós só olhamos.. Precisava de o lavar mas lavá-lo foi um acto de apaziguamento para mim, precisava confirmar que não, que não tinham ficado marcas nenhumas daquele pânico que vivi em que a porta traseira direita ficou toda branca, era pó ou tinta que saiu a cada passagem milagrosa da minha toalhita..Nesse momento [como em tantos outros] senti o meu anjo da guarda [com a mão dele na minha] a limpar tudo comigo.. Só assim se justifica que tudo tenha desaparecido..

[Estava tão nervosa que não consegui fotografar].

**

To start a new one. 

Hoje começo com esta. Porque a adoro, e porque preciso de perceber que se há música, livros, trabalho da semana [quase] feito, sol lá fora, saúde q.b, isso deve[ria] ser suficiente para começar uma nova jornada de sorriso nos lábios.

É isso. 

** 

Sometimes. 

Às vezes preferia não ter a capacidade de sonhar.. Porque às vezes os sonhos são duros e dramáticos, e passam para o dia, como se acordasse completamente exausta de uma noite super cansativa.. Há sonhos recorrentes. E pesadelos também. Porque eu não tenho que ter estes sonhos. Porque isto me faz mal e eu simplesmente não quero.. 
Os meus sonhos são reais. São delineados, claros, legíveis. Os pesadelos tb. Estou exausta e quero mais é acordar para a vida e dar descanso ao corpo e à alma. 

Bom dia, Especiais. 

**