Eu não sou…

Eu não sou do Benfica. Eu não sou católica praticante. Eu não sou adepta fervorosa de festivais da canção. E no entanto, vibrei com este sábado. Sei que foi um dia especial para tantos, e não há nada mais especial que ver os outros contentes. Ainda que não o estejas, é reconfortante perceber como as pessoas vibram, como se alteram, como se arrepiam, como se emocionam.. 
Mesmo que eu não seja do Benfica, mesmo que só tenha visto o Papa na televisão e ainda nem saiba rezar o terço, mesmo que só depois de ganhar tenha percebido que o amor que o Salvador canta é um amor vivido só por um, ainda assim, há muito que não havia um sábado arrepiante destes. 

Memorável é o termo. Inesquecível também. 

Boa Noite. 

**

Advertisements

Mesmo. 

**

No way. 

Não sei o que aconteceu. Se foi paragem de digestão, se comi algo estragado, se o cinzento dos dias se embrulhou no estômago.. Sei que vomito sem parar, e parece que tenho uma pedra pesada no estômago.. Oh porra.. 
**

S de Simplicidade. 

Nunca aqui falei do Salvador Sobral. Não falo das coisas só por falar, elas têm que me dizer algo, tenho que ter visto aquilo de que falo. Não vi o primeiro festival, o nosso, não vi as eliminatórias lá fora e ontem também não vi o festival.
Durante este tempo foram-me aparecendo partilhas atrás de partilhas do “Amar pelos Dois”, inúmeras partilhas de entrevistas, links para participações do Salvador noutros espectáculos..

Do pouco que vi percebi de imediato que esta era a vitória do amor puro e genuíno, da simplicidade. [Uma letra tão simples. Uma música tão simples].

[Quando andei por fora houve duas coisas que percebi, vá três. Que o sorriso é universal, o acto de reciprocidade mais especial que existe. Que o amor é universal, é igual em todas as línguas. E que a simplicidade é universal e é apreciada em todo o lado, para onde fores se fores simples terás sempre um lugar de destaque entre os outros].

Acho que foi o que aconteceu ontem com o Salvador. Mais do que a presença do Papa, que o dia de Nossa Senhora de Fátima, que a vitória do tetra pelo Benfica que levou ao rubro os seus adeptos [que felicito], o que retiro do dia de ontem foi que o nome do meu País, mais uma vez, esteve na linha da frente, mais uma vez se fez ouvir, que a minha língua foi escutada e apreciada numa letra que fala de um amor que é vivido só de um lado, de alguém que não se importa de amar pelos dois.. Eu sei que alguém, lá longe, deve ter traduzido esta letra para perceber o que lá vinha.. Tambem sei que o facto de Salvador ser simples, e estar doente, influencia. Porque alguém que viaja com o cardiologista atrás, que a qualquer momento pode desfalecer, que tem às vezes uma voz de passarinho em fim de linha e que inda assim não desiste de cantar o amor pleno, que se debate com purpurinas, com show off, com glamour colorido, e o rebate com a simplicidade, é alguém que merece tudo.

Esta é a vitória das não purpurinas. Porque o que é simples foi sempre o mais importante.

Foi ontem que ouvi a música pela primeira vez, com olhos de ouvir. Juro. Posso estar a ser politicamente correcta, nas esta é a verdade. Dos seus versos, houve um que marcou, que resumiu tudo..

… “Antes de ti, só existi”

Bom dia para esse lado.

**