Boa Noite, Especiais. 

**

Advertisements

Another. 

Quando me vicio, isso não é só um bocadinho, é muito, é em exagero. Sou desmedida na forma como gosto.

Terminado o outro livro do Murakami, é chegada a altura de avançar para outro, porque a biblioteca emprestou-me 4 livros e tenho que os devorar.. 

A “Peregrinação do rapaz sem cor” fala de uma história mal resolvida que percorre toda uma vida do personagem principal, Tsukuru Tazaki, e que o faz viajar na busca incessante de resolver o que tinha ficado por esclarecer. Demasiado real, demasiado normal é assim Murakami a escrever.. Aquilo tem tanto de real, que se lê como quem respira.. Eu juro que adiei o final da leitura porque me estava a saber bem ver a forma como Tsukuru regressa ao encontro dos amigos de outrora e os reencontra, e esclarece o mal entendido que o levara a um estado de quasi morte, porque era essa a sua meta.. Cada parágrafo que li desta fase da vida de Tsukuru teve em mim um efeito espelho.. Tb eu estive assim.. (Acho que ninguem se apercebeu, mas essa é a verdade).

“A rapariga que inventou um sonho” vai ser aquele que vou começar. Agora. 

**

Tic-1 Meu dia-0

Por vezes não vale muito a pena fazer grandes planos.. No meu trabalho existem muitos erros nas plataformas que utilizo, obrigando-me muitas vezes a pausas forçadas, a ter que regressar a casa, e a ter planos furados daquilo que planeara.. 

É por isso que tento ter tudo orientado com bastante antecedência, tento ter tudo pronto para ontem.. Recebi esta madrugada o trabalho desta semana e não fossem as falhas do sistema, já estaria feito.. 

Só que não. 

**

Sunrise 1/…

Começaram os céus brutais de mudança de estação.. A partir daqui vai ser em crescendo, cada dia mais fantásticos até passarem a azuis, à tal luz azul que me fascina típica dos amanheceres de Inverno sem sol.. Prometo aqui trazer as surpresas que o meu estore me mostrar a cada manhã.. Sempre que o conseguir ou sempre que me pareça que o deva fazer.

Tento sempre interpretar cada céu, mas muitas vezes não consigo.. 

[Há, um novo gatinho abandonado a sondar-me, amarelinho, com uma carinha tão peculiar e tão frágil que já estou de coração apertado, com medo que também ele tenha aquele fim triste.. É outra vez, o meu M].

**