Bom dia, passagem do “furacão”. 

Assim como veio, foi. Foi em menos de nada que desapareceu. Assim, puf.. Uma coisa de outro mundo. Rajadas de vento que levavam tudo pelos ares e de um minuto para o outro, tudo sereno. Nem chuva havia. Foi entre as 22 e as 22.30. E é isto que nos mostra que aquilo não era normal, que era de facto algo que passava, desaustinado, sem olhar a meios para arrancar tudo à frente.

Acho que as entidades estiverem bem nos avisos à população. Ainda assim, morreu uma mulher, enquanto afastava ramos do caminho e foi apanhada por uma árvore. Acho que com todos os avisos, a população percebeu que não era tempo de sair, nem ir para perto do mar, nem sequer conduzir em estradas aparentemente sem problemas. Milhares de ocorrências mas quando forem apenas árvores caídas sem pessoas em perigo, pia diferente. Continua agora a chover, continua céu carregado, mas a Ana já foi pregar para outras freguesias..

Bom dia, com o tempo como Deus quiser.

**

Advertisements