Da força. 

Quando comecei este blog não tinha objectivos. Não tinha leitores, não dei o endereço a ninguém, não tinha visitas. Se escrevia escrevia, se não escrevia ninguém iria notar. Comecei por não abrir muito o jogo. Fui sempre muito recatada no que escrevia, no que mostrava. Durante meses, anos, não publiquei nada que me pudesse identificar. Nunca disse quem era, onde estava, apenas o que sentia. E por isso decidi que o segundo nome escolhido [e o actual] faria mais sentido do que o primeiro. E mudei.

Com a evolução do blog, com a minha ligação com este espaço, continuei a não o dar a conhecer a mais pessoas que os dedos de uma mão, mas comecei a ter cada vez mais visitas, muitas de países distintos, vindas por pesquisas no Google, por assuntos variados que aqui publico. Lembro-me que um dos meus posts mais lido é o das mezinhas para a tosse, ou os do Tumblr [já aqui falei disso].

Hoje lembrava-me da falta que isto me faz. E de como tenho que ser capaz de pôr para fora aquilo que vivi, trazendo-o aqui. Tenho que ser capaz de o fazer. Ainda não fui.

Boa Noite

**

Advertisements

Domingo. 

Porque olhando à volta só me aparecem corações, e porque às vezes é quanto baste para me dar o alento que necessito. Têm sido dias duros, muito duros.

Já dizia a minha avó, a esperança é a última a morrer..

**