Reforço da alma. 

É preciso pouco.

As sopas de beldroegas são aquele tipo de sopas que se aprende a gostar com a idade. Porque as beldroegas não são consensuais, para uns são apenas ervas daninhas, para outros são apenas ervas daninhas mas banhadas a ouro e um petisco que aquece a alma e o coração. Podemos comer certas coisas em certos locais do mundo, mas umas sopas de tomate com figos nunca serão iguais às que se comem no Alentejo, nem as sopas de beldroegas de alguém saberão como as da minha mãe. Certas coisas combinam com certas pessoas, em certos locais. Eu não gostava de açordas e agora já gosto, não gostava de uma série de coisas que agora já gosto, como as favas em cama de sopas de pão, ou as ervilhas com ovos escalfados que faço [agora] em casa, quase todas as semanas..

A minha mãe fez-me as sopas de beldroegas, fez-me chá de brasas, fez-me miolos de pão [outra comida alentejana que adoro] e deu-me a caixa de Ferreros que se esqueceu de me dar no Natal..Foi a forma que tentou de me levantar a cabeça no emaranhado de medo e susto que viu espelhado nos meus olhos.. Foi a forma que me ajudou sem precisar de sofisticar..

Às vezes a vida tem que ser mesmo isso. Pouco sofisticada. Apenas simples.

Obrigada, Especiais.

**

Advertisements