End of July. 

E amanhã já é Agosto. Uns terminam as férias, outros irão começar, outros ainda terão que esperar, e outros nem chegarão a ter. Uns têm uma semana, outros duas, outros o mês, outros nem horas. Outros não trabalham fora mas merecem as férias na mesma [já estive nessa situação e sei do que falo]. Uns ficarão em casa, outros irão para hotéis, outros para destinos longe e outros ainda para outros continentes. Não interessa para onde se vai, interessa pausar a cabeça, deixar de fazer lancheiras, deixar de estacionar mil vezes por dia, deixar de usar maquilhagem e ter o cabelo sempre impec. Agora a rainha é a trança. Já cá está. Todos os dias.

Porque o que são as férias?! Não será descansar daquelas rotinas que podemos, e devemos abdicar?! Do chegar a horas, do ter em ordem mil coisas, dos testes aos projectos cumpridos a pente fino?! Soube tão bem hoje enviar emails de trabalho a desejar Boas Férias, saber que o tablet fica parado, que não tenho folhas de Excel para preencher nem despertadores para cumprir.

Amanhã é novo mês. O da M. Da minha Mãe. 

** 

Advertisements

Pool Time. 

Já deixei de estar branca. Já é um princípio.

[Como gosto desta ausência de maquilhagem a marcar os meus dias].

**

Advice. 

Já li vários alertas, várias informações de órgãos oficiais a alertar para a vaga de calor que aí vem. Que nalgumas zonas as temperaturas podem chegar aos 47,50 graus e que nem sequer é recomendado sair de casa.

Nem sei muito bem o que pensar. Tanto que anseio e ansiei por calor, daquele calorzinho bom e inofensivo, para agora chegar isto?!? Calor infernal ao ponto de não se conseguir sair de casa, ao ponto dos aviões terem regressado da Suécia porque entramos em risco de incêndio elevado, ao ponto de poder acontecer uma tragédia como a do ano passado ao nível dos incêndios. Não sei como vai ser, se é falso alarme, mas que já estou sem saber como fazer, já.

**

31.

Último dia do mês.

Ainda vou a tempo de exercício, de saldos, de ler e dormir o que me apetecer.. Diz que vem uma onda de calor mas parece que é forrada a cinzento enevoado.. [a sério?!] 

Bom dia para esse lado.

**

Sobre a efemeridade da vida. 

A semana passada perdi uma amiga. Ainda me custa falar disto porque foi num ápice que soube o que tinha e foi num ápice que a perdi, sem sequer ter a oportunidade de lhe escrever como dela gostava [já lho tinha dito antes, Graças a Deus], como admirava o talento que tinha para fotografar.
Sabemos todos pelas histórias que ouvimos, que a vida é uma passagem, que hoje estamos e amanhã podemos não estar, que num segundo tudo muda. Ouvimos uns e outros a dizer que devemos aproveitar cada segundo, cada momento, mas quantas vezes fazemos realmente caso do que ouvimos?!

A minha amiga aparentemente não tinha nada. A 14 de Julho sentiu-se mal, foi ao hospital, foram feitos muitos exames, tinha imensas dores de cabeça, vomitava e não se sustinha de pé, tendo estado sempre de cadeira de rodas. Aquilo passou, regressou a casa. 2 semanas depois, teve 2 aneurismas cerebrais, entrou em coma, ainda foi operada mas entrou em morte cerebral, morrendo um dia depois. O que é isto?! Porque acontecem estas coisas, com que explicação?!

Um talento inato para fotografar, companheira de um dos melhores fotógrafos do país, uma pessoa que me tratava sempre bem, tão querida, tão educada, tão preocupada. Sabia muito mais de fotografia do que eu alguma vez saberei, segundo ela, “dormia com a sebenta e por isso tinha obrigação de fazer bem”.. Tocou o coração de quantos com ela conviveram, tirou milhares de fotografias, tiraram-lhe milhares de fotografias espectaculares [nas centenas de workshops promovidos pelo marido, em que tb ela participava e onde servia de modelo em silhuetas, sunrises e sunsets]. O que mais choca aqui foi a rapidez de tudo isto. 2 semanas. Pode ser num segundo, num minuto, num mês.. O estado abrupto e pasmo em que fiquei. Sem pinga de sangue, completamente assustada. Continua a ser este o meu maior medo, que a vida me leve, num momento. É esse o meu maior medo.

Fotografem muito. Por favor.

**

P. S. [Algumas dos milhares de fotografias que o marido lhe tirou]. 

Monday. 

Pela primeira vez senti que em Julho ainda era Verão como antigamente. Consegui sentir o sol no corpo, consegui molhar-me, consegui andar de calções sem frio. O tempo continua fechado ao acordar mas esperam-se temperaturas altas [parece que desta vez é que é] e faço questão de aproveitar todo o sol que ainda não vi. Vou gastar as embalagens que tiver que ser de protector solar, mas vou recuperar o bronze de outrora. E vou descansar, tentar serenar.

O prazer da leitura ainda é dos mais fortes para mim, mas o pequeno descobriu as sopas de letras e está a contagiar-me..

Bom dia.

**