Like yesterday. 

Há muito tempo que dou Graças a Deus a cada dia que acordo com saúde. Como se pouco, para além de estar bem de saúde, me interessasse. Sei que vivi um acontecimento deveras traumático que jamais esquecerei e que me faz transpirar em segundos, caso algo saia de fora dos carris daquilo que considero a minha estrada.

Sou supersticiosa. Olho sempre meio de revés para o número 13, que na escala dos números está logo a seguir a um dos meus números favoritos. Acho o 13 um número diferente, mas tenho alguma aversão, para mim não é um número de sorte.

Os dias, como os meses, como os anos, não são todos iguais. Há dias em que o perigo se atravessa, há dias em que o 13 precisa de pedir ajuda ao tal anjo que tem que descer e fazer das suas, para que tudo se apazigue. Estou longe de ser desligada, com aqueles com que me preocupo sou uma lapa, daquelas bem alapadas. Porque não acredito em coincidências e porque quando a vida de quem quero bem, pisa o risco que separa o susto do cagaço, quando “foi assim mas podia ter sido o fim”, urge ouvir a voz, e sentir. Porque continuo a não preencher os dedos de uma mão, com quem me é Especial. 

Hoje é dia 13. E ontem foi o tal 12, um dos meus números. Por falar em ontem, curioso aquelas pessoas com quem podes passar meses, anos, décadas até, sem falar, que quando falas é como se tivesse sido ontem?! Isto existe e acontece sim. 

Boa Noite

**

Advertisements

Healthy way of life. 

Estou com o trabalho muito orientado, e não fosse ontem um telefonema já noite com um projecto urgente para entrar ainda na revista deste mês, estaria já de fim de semana. O projecto está a ser informaticamente ultimado e por isso hoje tive tempo para me superar nos meus kilometros. Nem sempre consigo estar tanto tempo na elíptica, porque tenho outras coisas para fazer, ou porque me dá a preguiça ou falha a vontade. Quando começo, o primeiro km é sempre o pior e o mais entediante. Mas depois vou em um após um, até atingir os meus objectivos.

Não tenho o corpo que gostava de ter, mas faço por ter o melhor que consigo. Mesmo importante é estar saudável [nunca na minha vida fui tão focada em estar saudável] e estar cheia de energia. Não sei se perco volume, se perco peso. Sei que me sinto mais capaz.

Tenho fechado a boca a chocolates, gelados, alimentos muito processados. Como cada vez menos carne vermelha [quase nada] e a minha barriga ainda delira e bate palmas por um doce. Mas eu digo [quase sempre] que não. Habituei-me a olhar para os rótulos das embalagens porque percebo cada vez melhor o quão difícil é fazer sair as calorias do pêlo, e como há bolachas com quase 200kcal cada [WTF?!]. Não se pode comer sem olhar, é um atentado, para além dos açúcares, as gorduras e os ingredientes [que ninguém sabe o que é] são assustadores.

Bom, bom, é sopa e peixinho. Ah e batatas da mãe nunca fizeram mal a ninguém.

A ementa ao almoço foi esta,

E é o que vos jurei,

#laparaMaioestouemforma

**