February Last day.

Que agora seja só sol. Sem frio, sem chuva, sem dias cinzentos. Era assim que eu gostava.

Boa Noite.

**

Advertisements

Done (with YAZIO).

Feito por hoje.

Quase há uma semana atrás instalei uma app “saudável” no meu telefone. Basicamente, fornecendo informação do objectivo que pretendemos atingir, de TODOS os alimentos que vamos ingerindo, de toda a água que vamos bebendo, inserindo diariamente o peso corporal, é possível, com a versão gratuita, ter como que um “apoio” para o atingir dos nossos objectivos.

A app é muito intuitiva, muito fácil, viável (não tem paragens abruptas ou brancas), e funciona na perfeição. Estabelece um objectivo claro e vai dando o equilíbrio entre o que comemos e o que gastamos, mostrando o saldo, positivo ou negativo. Dá informação sobre a energia, os carboidratos, proteína, gordura, permite inserir todos os alimentos (tem uma variedade gigante de alimentos comuns), criar alimentos novos, inserir todas as actividades físicas (desportivas ou outras) e ver gráficos de muita coisa. Tem receitas, dicas de coach e com a versão Pro têm muito mais possibilidades.

Lança desafios (estou num complicado que é 21 dias sem chocolate!!!), e é assim qualquer coisa de muito útil.

Chama-se YAZIO e têm disponível na Play Store, (vi publicidade no Instagram e fiz muito bem em tê-la instalado).

**

Da vergonha de Pedrógão.

Por ocasião dos incêndios de Pedrógão Grande, fui fazer voluntariado. Não consegui ficar em casa, a assistir pela televisão, sentada como se nada fosse, sabendo que era algo que poderia fazer. Agarrei no meu corpo, no meu carro e no meu tempo e fui ajudar os outros. Nessa altura relatei tudo aqui no blog, no post Por Pedrógão, com fotografias e tudo aquilo que achei por bem, na altura, trazer a lume.

No meio daquela azáfama achei de imediato que havia duas palavras que descreviam aquele momento: solidariedade e amor. Fiz inúmeros cabazes para distribuir pelas famílias, na altura em tremendas dificuldades. Estive nesse dia, no armazém onde chegavam todos os produtos alimentares, perecíveis, bens de higiene e primeira necessidade e onde eram feitas as refeições pelos militares para dar aos bombeiros das centenas de corporações que ainda combatiam o fogo.

Todos os voluntários que estavam comigo estavam organizados, tinham reunido grupos com transporte pago por autarquias, entidades ou empresas. Apenas eu estava sozinha. Tinha ido no meu carro, com gasóleo pago por mim, portagens pagas por mim e autorização dada pela empresa para o efeito por ter um grande projecto nessa semana.

Emocionei-me muito no caminho de ida e no de volta também. Foi nesse dia que agravei uma queimadura na perna direita, porque, sem me aperceber apanhei sol indevidamente. Foi já nessa mesma tarde com um Biafine oferecido às populações que comecei os tratamentos. Regressei de coração cheio por ter dado o meu tempo e a minha ajuda a quem dela tanto precisava. Gostava de ter ido muitos mais dias, mas não foi possível.

É pois com tremenda perplexidade que assisto às notícias trazidas a lume pela reportagem da Ana Leal na TVI. Saber que milhares de bens continuam por entregar, amontoados que estão em armazéns, alguns, os mais perecíveis, se calhar já fora de prazos de validade, dezenas de electrodomésticos, microondas, frigoríficos, colchões, que nunca foram entregues e que se calhar os que o foram, foram distribuídos por amigos e familiares, sem qualquer critério daqueles que a solidariedade defende, saber isso é ficar com um nó, um nó muito grande na garganta…

Quantos idosos existirão naquelas zonas a precisar de apoio?! Quantas famílias ficaram com tudo destruído sem ter condições para reconstruir a vida?!

Sempre achei que ao velhote que se “escondia” por detrás da presidência do município em questão, lhe faltava traquejo para uma série de coisas. Não sei se tem culpa, se fechou os olhos, se a situação lhe saiu fora do controlo. Sei que é uma vergonha aquilo que ali está. É uma vergonha, que um País, uma Nação, uma Língua, se tenham unido como nunca até então se vira, e agora tudo esteja ali sem ter chegado a quem devia..

Que seja tudo um mal entendido (que não me parece)..

**

Animal Print.

Tenho este lenço há anos. Foi tendência agora e há muitos anos. Uso roupa com muita idade. Este blazer tem 10 anos, visto e gosto como se tivesse acabado de comprar.

Os básicos são sempre intemporais.

**

Food for energy.

Querem trabalhar uma tarde inteira sem sentir ponta de fome?! Comam uma taça de papas de aveia, com uma banana e um fio de mel.

Não me apetecia comer, e obriguei-me a não sair sem ingerir alguma coisa. Aguentei praticamente a tarde toda (reforcei por volta das 18 com uma banana e umas daquelas bolachas de milho e sal, das minis).

Papas de aveia é das coisas mais saciantes que já comi. É impressionante.

**