Green Book.

Eu nunca vejo os filmes ao mesmo tempo que as outras pessoas. Nunca os vejo nas salas de cinema quando estão em exibição, nunca os vejo em directo na televisão. São os meus timings, aqueles que consigo ter. Nem melhores nem piores que os dos outros. São os meus timings.

Vi agora, muito tempo depois de ter estado semanas a fio em exibição, o Green Book. Um filme soberbo, do melhor cinema que já vi.

Muita coisa entra em linha de conta neste filme: das amizades improváveis, dos valores como o respeito ao próximo, das opções sexuais, do racismo ou da lealdade. Um filme forte, que nos marca. Que nos mostra como tudo é relativo, como se pode ter tudo e no fundo, ter tão pouco. Como a vida pode dar voltas e sermos capazes de aceitar aquilo que jamais pensáramos aceitar. Como a cor da pele é só um mero aspecto, e como o que nos liga aos outros pode alcançar uma dimensão tão surreal..

Adorei o filme, adorei as interpretações, que, na minha opinião, não podiam ter sido melhores. Mas que grande produção, que enredo tão simples e tão brutal. De como o cinema, tal como a vida, pode atingir um patamar de excelência apenas com o simples.

Tão especial, tão bom.

**

Advertisements

Like a December Day..

Voltei às botas.Choveu aquela morrinha todo o santo dia. A mim parece-me Dezembro, não fossem os 17 graus que nos dão a ver que se calhar não, que não estamos no Inverno.Detesto este tempo. Mas detesto mesmo.**

New day.

Novo dia, parece que vai ser dos últimos com chuva que se espera aí um calor de rachar para o fim de semana.

Sou sincera, detesto estes dias cinzentos mas são dias para ser vividos tais como os outros.

Bom dia para esse lado.

**