Dia 1.

Há meses que começam de forma diferente. Chamemos-lhe o dia 1. O do recomeço de uma nova etapa, sabendo que ainda é duro e árduo o que aí vem. Os dias tem sido forrados a angústia, daquela forrada a incerteza. Já conheço a estrada de cor. Conseguiria, quase, fazê-la de olhos fechados. Sei quantas músicas posso ouvir em cada espaçamento de saídas de autoestrada. Faço tudo por etapas. Uma de cada vez. Uma saída. E outra. E outra. Em algumas horas desbravo os kilometros e já me cheira a casa, em cada chaparro que vejo. Casa agora já não é só praia. Casa agora cheira a recuperação, a recomeço.

Esta etapa já está. Hoje no dia 1 começa outra.

**