Hands.

O meu fascínio continuam a ser as mãos. Sempre as mãos. Continua a ser a primeira coisa para onde olho quando conheço alguém, quando revejo alguém, quando observo alguém, quando me despeço. Se as pessoas imaginassem o valor que dou às mãos, saberiam que pouco me importa se as calças são da marca X, o casaco da marca Y e o carro da marca Z. Para mim o fascínio continua a residir nas linhas que atravessam as mãos, nas marcas, nas unhas curtas pouco importa se arranjadas ou não, nas veias salientes, nos sinais da idade, na aspereza até de uma pele desidratada. Tenho as veias marcadas e as linhas também. As minhas mãos são mãos que limpam, esfregam, lavam loiça todos os dias, e tachos e grelhadores, e são as mesmas que me cuidam do rosto, que me secam as lágrimas e com que escrevo o que aqui vos trago.

Não me fixo só nas mãos. Tenho-as decoradas. Linha a Linha.

**

Bom dia!!

Fim de semana de frio, de puro Inverno, de apetecer estar no quentinho. Cada vez mais gosto de roupas quentinhas, fofinhas, embora só as consiga vestir em dias muito frios.

Este ano forcei-me a fazer a árvore de Natal. Pensei em não fazer, mas caramba a criança tem lá alguma culpa das vicissitudes desta vida?! Então pensei que só seria capaz de a fazer em tons completamente neutros. Sem cores berrantes, e sem a enormidade do 1,80m que tem a minha árvore convencional. Toca de puxar pela imaginação. Para uns pode não ter graça, ser pequena, não ter vida, mas para mim foi o que consegui. Sem vermelhos, sem brilhos, sem luzes que piscam. Foi o que consegui. Ainda faltam detalhes mas está praticamente feita. 1.20m de apontamentos suaves só para lembrar.

Bom dia para esse lado.

**