Hard Times are coming.

Os planos da manhã saíram furados. Nem uma página do livro lida. Voltei de novo a fazer duas aulas, bem puxadas por sinal. Nem sempre consigo fazer os exercícios todos, há alguns de um nível muito elevado e eu sou só uma espécie de principante neste tipo de aulas.

Vi menos notícias hoje. Já não consigo, tenho a cabeça a acusar cansaço de informação e número de mortos, de imagens tristes de funerais lá fora com um filho, o padre e a mãe no caixão, de velhotes que choram por uma videochamada. E de saber que esta guerra levou os mais velhos, essencialmente os velhotes, mas não só. Custa-me que ainda estejam a ser decretadas leis que proibem ajuntamentos de mais de 5 pessoas?! Mas ainda existiam ajuntamentos de mais de 2,3 pessoas?! Custa-me que o meu ginásio me tenha mandado um e-mail (a mim e aos milhares de sócios) onde directamente pede que nos sejam debitadas as mensalidades para poder fazer face às despesas. Um ginásio da dimensão daquele onde ando enviar um e-mail destes diz muito do que vai ser a nossa triste realidade daqui a um par de dias. A minha já está a ser. Sinto no pêlo, não vejo nas televisões ou ouço dizer. A opção de ajuda ao ginásio é opcional. Desta vez lamentavelmente não vou conseguir ajudar. Estive mais de 7 meses sem ir ao ginásio e tudo a ser debitado sem nunca ter cancelado a minha inscrição. Continuava a ganhar, continuava a entrar-me o ordenado. Desta vez é diferente. Tenho muita pena do número gigante de clientes que eles vão perder, do que se vai ter que deixar de comprar, de como as vidas de (quase) todos vão mudar. É chegado o tempo de economizar para os tempos muito duros que aí estão a chegar…

**